terça-feira, 19 de setembro de 2017

PARE COM A HISTERIA: JUSTIÇA NÃO AUTORIZOU "TRATAMENTO DA HOMOSSEXUALIDADE COMO DOENÇA"

Antonio de Moura / Art. Original
Advogado e Mestre em Direito pela PUC-SP.


Quem afirma que esta decisão judicial “tratou a homossexualidade como doença” ou que “foi instalada a ‘cura gay'” é muito desonesto ou analfabeto. Não há meio termo. É desonesto quem entendeu – e sabe que não é nada disso. É analfabeto quem leu e não entendeu – porque o Juiz Federal não disse nada (nada!) sobre considerar doença. 

Pelo contrário, a decisão preserva a redação integral da Resolução nº 01/1999 do Conselho Federal de Psicologia, apenas afirmando que “a fim de interpretar a citada regra em conformidade com a Constituição, a melhor hermenêutica a ser conferida àquela Resolução deve ser aquela no sentido de não privar o psicólogo de estudar ou atender àqueles que, voluntariamente, venham em busca de orientação acerca de sua sexualidade, sem qualquer forma de censura“. 

No dispositivo é possível perceber que a determinação judicial consiste apenas em “determinar ao Conselho Federal de Psicologia que não a interprete (a Resolução nº 01/1999) de modo a impedir psicólogos de promoverem estudos ou atendimento profissional, de forma reservada, pertinente à (re)orientação sexual, garantindo-lhes, assim, a plena liberdade científica acerca da matéria, sem qualquer censura ou necessidade de licença prévia”.

A decisão judicial é, portanto, correta. Não fere a orientação sexual de ninguém, não trata qualquer condição sexual como doença e apenas garante que, se o indivíduo quiser – mediante escolha livre e consciente – procurar um psicólogo, terá o direito de ser ouvido e o profissional poderá realizar estudos e atendimentos reservados, tudo para que seja preservada a vontade espontânea do paciente. É algo mais ou menos assim: se um homem que se diz heterossexual precisa de ajuda e orientação para tornar pública a sua homossexualidade, ele pode procurar um psicólogo e o profissional poderá ajudá-lo no enfrentamento dessa etapa. A decisão permite apenas o caminho inverso. Que mal há nisso? 

Se você leu as palavras do magistrado e encontrou “cura gay” você precisa estudar ou parar de ser desonesto. Isso não é questão de opinião, é simples capacidade de inteligência.


É incrível como a mídia embute histeria nas pessoas quando quer por meio de manchetes que manipulam a verdade. A decisão do juiz em NENHUM momento falou que homossexualidade é DOENÇA. A única coisa que ela permite é que os homossexuais que desejem ter uma terapia psicológica de reorientação sexual sejam livres para fazê-lo, bem como os psicólogos interessados em estudar o assunto e oferecer essa terapia também sejam livres para fazê-lo. A mesma imprensa que passou dias defendendo a "liberdade de expressão" (só de fazer uma exposição, quem a boicotou foi chamado de "censor" e "nazista") agora claramente defende a censura a uma terapia da qual discorda. Caneta Desesquerdizadora no O Globo, VEJA e Folha de S.Paulo.



VEJA TAMBÉM:



sábado, 16 de setembro de 2017

JUSTIÇA AUTORIZA PSICÓLOGOS TRATAREM HOMOSSEXUAIS EGODISTÔNICOS


Uma Ação Popular solicitada por um grupo de dezenas de psicólogos na Justiça Federal do Distrito Federal contra o Conselho Federal de Psicologia (CFP) resultou em uma decisão liminar que suspende a Resolução 01/99 da entidade, que proibia psicólogos de receberem em seus consultórios homossexuais egodistônicos que buscassem tratamento. 

O homossexual egodistônico é alguém caracterizado pela inconformidade com sua orientação sexual e que busca formas de abrir mão da atração por pessoas do mesmo sexo e assim, reduzir os transtornos psicológicos e comportamentais associados.

O grupo de psicólogos que requereu a ação na Justiça Federal foi motivado pelos casos da psicóloga Rozângela Justino, uma profissional da área que sofreu censura do CFP em 2009; e da psicóloga Marisa Lobo que chegou a ter o registro profissional cassado pelo Conselho Regional de Psicologia do Paraná – decisão revertida em instâncias superiores.

Os profissionais da psicanálise viram, nesses casos, uma ação tomada de parcialidade, com intenção de censura e perseguição religiosa do CFP, e assim procuraram a Justiça Federal para reverter a conduta da entidade de classe.

O juiz Waldemar Cláudio de Carvalho, titular da 14ª Vara da Justiça Federal em Brasília, reconheceu que os psicólogos encontravam-se impedidos de clinicar ou promover estudos acerca da reorientação sexual devido a uma interpretação equivocada da Resolução 01/90; editada pelo CFP para disciplinar a atuação dos profissionais da psicologia no que se refere à questão homossexual.

O magistrado entendeu que esse impedimento trazia grande prejuízo aos indivíduos que manifestam interesse nesse tipo de assistência psicológica: “Por todo exposto, vislumbro a presença dos pressupostos necessários à concessão parcial da liminar vindicada, visto que: a aparência do bom direito resta evidenciada pela interpretação dada à Resolução nº 001/1990 pelo CFP, no sentido de proibir o aprofundamento dos estudos científicos relacionados à orientação sexual, afetando, assim, a liberdade científica do país, e por consequência, seu patrimônio cultural”, pontuou Carvalho na decisão liminar.

“Defiro, em parte, a liminar requerida para, sem suspender os efeitos da Resolução nº 001/1990, determinar ao Conselho Federal de Psicologia que não a interprete do modo a impedir os psicólogos de promoverem estudos ou atendimento profissional, de forma reservada, pertinente à (re)orientação sexual, garantindo-lhes, assim, a plena liberdade científica acerca da matéria, sem qualquer censura ou necessidade de licença prévia por parte do CFP, em razão do disposto no art. 5º, inciso X, da Constituição de 1988”, acrescentou o juiz.

O especialista em Políticas Públicas e Mestre em Saúde Pública, Claudemiro Soares, comentou a decisão da Justiça: “Essa norma estava sendo interpretada em processos éticos do CFP de modo a promover até a cassação de registro profissional. Nesse sentido, pelo menos duas psicólogas sofreram essa medida extrema por haverem sido acusadas de praticar aquilo que os ativistas homossexuais chamam equivocadamente de ‘cura gay’”, afirmou.

O advogado Leonardo Loiola Cavalcanti, responsável pela apresentação da Ação Popular, comemorou a decisão: “Todos os psicólogos podem atender os homossexuais egodistônicos, aqueles que não se aceitam em sua orientação sexual, sem o receio de serem punidos pelo Conselho Federal de Psicologia. Viva a liberdade científica e o direito do consumidor!”.

“Cura gay”

Há anos a militância LGBT vem limitando o trabalho profissional de psicólogos que recebem homossexuais egodistônicos em seus consultórios, impendindo-os de ajudá-los a compreender e encontrar meios para reduzir seu sofrimento com a orientação sexual.

Nos casos opostos, em que heterossexuais preocupados com a manifestação de atração sexual por pessoas do mesmo sexo, o CFP não exercia nenhuma restrição aos psicólogos.

Diante dessa situação com características de parcialidade, o deputado federal João Campos (PRB-GO) apresentou, em 2011, um projeto de lei para regulamentar a atuação profissional dos psicólogos nesse quesito, mas a grande imprensa deu uma conotação negativa à proposta apelidando-a de “cura gay”.

O Projeto de Decreto Legislativo 234/2011 versava sobre a resolução do CFP – que de certa forma funcionava como uma restrição à liberdade de expressão dos homossexuais egodistônicos, mas terminou retirado de tramitação pelo autor, em julho de 2013. Campos era filiado ao PSDB e o partido emitiu uma nota contrária ao projeto por conta da polêmica junto aos ativistas gays.

À época, a psicóloga Marisa Lobo estava no centro do debate por conta da tentativa do CRP-PR de cassar seu registro profissional, e pediu que o deputado retirasse o PDC da pauta da Câmara para que a discussão fosse ampliada junto à sociedade. Entretanto, ela afirmou que os ativistas gays não deveriam comemorar o recuo na tramitação do projeto.

“Fui uma das inspiradoras do PDC e pedi a ele [deputado João Campos] para retirar por ser psicóloga, e saber do golpe [dos ativistas gays]. A alegria do burro é pensar que é dono da carroça”, escreveu Lobo em seu perfil no Twitter.

Agora, com a decisão da Justiça Federal, a discussão será ampliada, favorecendo o debate e a tramitação do PL 4931/2016, de autoria do deputado federal Ezequiel Teixeira, que aborda o mesmo tema e está na Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF), de acordo com informações do jornal Estado de Minas.

A nova proposta faculta ao profissional de saúde mental aplicar terapias e tratamentos ao paciente diagnosticado com “transtorno psicológico da orientação sexual egodistônica, transtorno da maturação sexual, transtorno do relacionamento sexual e transtorno do desenvolvimento sexual”.

O texto frisa que cabe ao psicólogo “auxiliar mudança da orientação sexual, deixando o paciente de ser homossexual para ser heterossexual, desde que corresponda ao seu desejo”.

“Essa proposta legislativa justifica-se pelo fato de existirem indivíduos em profundo sofrimento psíquico em decorrência desses transtornos, mas que enfrentam dificuldades intransponíveis para acessarem os dispositivos terapêuticos que poderiam assegurar-lhes uma melhoria significativa na qualidade de vida, uma vez que, diversos profissionais da saúde se sentem impedidos de realizar por força de uma resolução ilegal do órgão de classe”, comentou Teixeira, em referência à atuação do CFP.

Fonte: GospelMais
Derrotas

O ativismo gay e sua militância dentro dos Conselhos de Psicologia vêm sofrendo diversas derrotas na esfera judicial em casos de tentativa de censura da psicóloga Marisa Lobo, que já havia revertido a cassação de seu registro profissional em última instância.

Recentemente, a juíza Soraia Tullio, da 4ª Vara Federal de Curitiba, negou uma ação indenizatória de R$ 50 mil por dano moral que o CRP-PR movia contra ela, e a decisão abriu espaço para a exposição da tentativa de censura frustrada.

A magistrada afirmou que as críticas feitas pela psicóloga à entidade estão dentro do que a legislação estipula como liberdade de expressão: “Se de um lado o direito à liberdade de expressão faz surgir, em contrapartida, a consequência de reparar eventuais danos causados a terceiros (o que não se questiona), por outro lado essa mesma liberdade de opinião, em uma sociedade democrática, abrange o direito à crítica às instituições, ainda que severas”, frisou a juíza.

Comentário do blog: mais uma vez a mídia se rendeu ao ativismo gay e vendeu seus títulos tendenciosos nas matérias sobre a decisão da Justiça Federal. Confira abaixo👇. Começa dai a estranheza da coisa certo?! Por que será que o conselho luta tanto para omitir a existência dos egodistônicos, dos que vivem a homossexualidade indesejada, dos que não querem ser gays?! Meramente política, por interesse financeiro ilícito, não há outra razão para continuar tirando a liberdade dessas pessoas. É uma questão que mais uma vez caiu na mídia nacional e você que NÃO quer ser gay tem que se expressar por meio dos comentários. Há vários posicionamentos diferentes mas a maioria compreende o juiz e o time de psicólogos que estão de parabéns pela sensibilidade em ter observado a nossa existência.

VEJA: Justiça permite tratar homossexualidade como doença

GLOBO: Juiz federal do DF libera tratamento de homossexualidade como doença


Percebam a intenção malévola de levar o leitor à má interpretação do texto. De propósito! De forma escancarada!

Sem esse malabarismo todo a notícia é simples: agora quem NÃO quiser ser gay pode contar com auxílio psicológico. Quem quiser ser, seja. Quem não quiser também é um direito seu! 👏👏👏





VEJA TAMBÉM:

domingo, 3 de setembro de 2017

EVENTO REÚNE VÁRIOS EX-GAYS EM CIDADE PERUANA



Ex-homossexuais, ex-travestis e ex-transexuais juntaram-se para dar testemunho que Jesus Cristo, o messias judeu, os mudou milagrosamente. 

O evento aconteceu na cidade de Lima, no Peru, em agosto de 2017. O encontro, além de espiritualidade, esclareceu que a agenda do ativismo LGBTT é uma mentira quando tentam sustentar que se nasce gay sem poder mudar tal orientação. 

A ocasião que mostrou ser possível deixar o estado homossexual contou com a presença de ex-gays peruanos, bem como da Colômbia e dos EUA.


Ao mesmo tempo que a homossexualidade é celebrada e a ideologia de gênero infiltrada pelo mundo vários ex-lgbtts têm se mostrado também como parte de uma diversidade sexual.


Sabe o que há em comum entre estes seres humanos? A humildade em reconhecer que as orientações do Criador são as melhores. As mais bem intencionadas! E qualquer advertência que Ele nos faça é para nosso próprio bem e manutenção da nossa própria existência não só nesta dimensão mas "no mundo futuro, a vida eterna" Marcos 10:30. 

Para a carne desvalorizar tudo do seu habitat só por meio do sobrenatural de Deus em nós! 

Despir-se da vaidade também exige humildade!

Algo de estranho está acontecendo no mundo. E se você é sensível a isso já captou. Para quê essa rebeldia toda se não é a própria materialização da mente anti-cristã?! E os sinais não estão apenas fora, mas dentro de muitas igrejas, como foi profetizado: a apostasia.

Bons versículos para reflexão:

"Então admoestava Ele à multidão: “Quando vedes surgir uma nuvem na direção do pôr-do-sol, logo dizeis que é sinal de chuva, e, de fato, assim ocorre. Também, quando sentis soprar o vento sul, proclamais: ‘Haverá calor!’, e acontece como previstes. Hipócritas! Sabeis muito bem interpretar os sinais da terra e do céu. Como não conseguis discernir os sinais do tempo presente? Buscar a paz enquanto há tempo"  Lucas 12:54-56

Romanos 1:26-30: "Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro. E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm; Estando cheios de toda a iniquidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade; Sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus"

"Virá a apostasia e, então, será revelado o homem do pecado, o filho da perdição. Este se opõe e se exalta acima de tudo o que se chama Deus ou é objeto de adoração2 Tessalonicenses 2:3-4


sexta-feira, 4 de agosto de 2017

PSICANÁLISE: HOMOSSEXUALIDADE É UM DISTÚRBIO EMOCIONAL

Apesar de a matéria ser de 2004 para nós continua fresquinha né! Até mesmo porque somos restringidos pela grande mídia a tão importantes informações. Este conteúdo foi extraído do blog eunaoquerosergay.blogspot.com.br  e originalmente do MetrôNews de São Paulo.

A melhor fala da especialista, claro, é a que defende a liberdade individual de cada um: "É um distúrbio emocional, que pode ser caracterizado como doença emocional e, como tal, é passível de cura, se a pessoa quiser"

Em busca desta profissional foi encontrado o canal dela no YouTube: Jonia Ranali. Será que após anos dessa afirmação ela mudou de opinião pelo crescimento do ativismo gay? Não sabemos! A esperança é que não né! Um pingado de gente que não se rende ao politicamente correto tem que sobrar! 🙌

Para ler sem dificuldades clique na imagem: 


VEJA TAMBÉM:

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA: A FÁBRICA DE HOMOSSEXUAIS

ROZANGELA JUSTINO: DEIXAR A HOMOSSEXUALIDADE É UM DIREITO HUMANO E CONSTITUCIONAL 


Postagens populares

Contador de Visitas

VISITE TAMBÉM: